Controlo Graves e Agudos

Controle de Tonalidade

controle de tom
Fig.1 Controle de tonalidade

O controlo de tonalidade (Tone controle), é representado na sua forma mais básica na Fig. 1. Uma forma fácil de conseguir regular a frequência é colocar uma rede RC variável entre o amplificador de tensão e os andares amplificadores de potência, o valor de C1 é escolhido para deixar passar as frequências audio mais elevadas, isto tem o efeito de reduzir progressivamente as frequências mais altas quando a resistência variável é ajustada para a extremidade inferior, o nível mínimo de atenuação das frequências mais altas (agudos) é limitada por R1.

Como o circuito só reduz o conteúdo de alta frequência do sinal pode ser chamado de um simples controle “Treble Cut”. A utilização destes circuitos mais simples é usado quase exclusivamente para aplicações de guitarra ou rádios de baixo custo.

Baxandall, Circuito de controle de tonalidade

controle de tom, circuito baxandall
Fig.2 Baxandall, Circuito

O circuito de controlo de tom Baxandall, Fig. 2, é um circuito analógico que permite o controle independente dos graves e agudos; tanto graves e agudos podem ser amplificados ou atenuadas e, fornecendo uma resposta de frequência relativamente linear, ilustrado pela linha azul (Nível resposta) do gráfico na Fig. 3. O projeto original, proposto por PJ Baxandall em 1952, usou uma válvula (tubo) amplificadora como parte do circuito para reduzir a atenuação considerável (cerca de 20dB) introduzido pela rede passiva. Ainda há muitas variantes do circuito em uso, ambos os circuitos, ativo com amplificação, originalmente proposto ou passivo sem um amplificador incorporado.

Em algumas variantes do circuito de Baxandall, podem ser usadas fases adicionais de amplificação para compensar a atenuação de aproximadamente -20bB causada pelo circuito.

resposta frequencia, circuito baxandall
Fig.3 Baxandall, Frequência de Resposta

Controle de tonalidade, circuito ativo

Para compensar as perdas substanciais na versão passiva do circuito e dar uma resposta com um nível menos atenuado, é comum incorporar um amplificador no circuito. Atualmente, incorporar um amplificador operacional é uma escolha aceitável, cria-se assim, uma realimentação negativo de modo a permitir um ganho mais elevado. São possíveis vários circuitos com diferentes valores para as resistências R1 a R4 e C1 a C4, dependendo da impedância de saída e de entrada.
Com os circuitos ativos, Fig. 4, o objetivo é ter o nível de resposta em 0dB para que não haja ganho ou perda provocado pelo circuito de controle. Para evitar distorção, o sinal máximo, não deverá ser suficiente para sobrecarregar qualquer fase. Estes circuitos são, normalmente, parte integrante de qualquer amplificador de áudio.

controle ativo, circuito baxandall
Fig.4 Baxandall, Controle Ativo

Controle de tonalidade com CI

lm1036
LM1036

Nos amplificadores modernos a tendência é usar controlos com circuito integrado que podem trabalhar com qualquer circuito digital ou analógico. Uma solução simples para os graves, agudos e controle de volume em amplificadores de som analógicos é oferecido, por exemplo, pelo circuito integrado LM1036 da Texas Instruments.

Cada um dos quatro controlos é ajustado por aplicação de uma tensão variável entre 5.4V (que é fornecido pelo pino 17 do IC), e 0V. Metade da tensão aplicada aos pinos de controlo 4, 9, 12 e 14 dá uma frequência de resposta de nível, entre o centro de equilíbrio canais esquerdo e direito, e metade do volume.

O LM1036 também tem um interruptor de compensação de volume. Quando 'on' muda a ação dos controles para aumentar as frequências de graves e agudos quando o volume está em um nível baixo. O objetivo é compensar a queda da audição humana em frequências altas e baixas.

Montagens simples de controle de graves e agudos

Controlo Agudos
Controle de Agudos
Controlo Graves
Controlo de Graves

Últimos Tópicos

Ficheiros Recentes

  • Toyota ECU DENSO
    ANO 2004 A 2007 COROLLA 1.8 16V 1ZZ-FE INJEÇÕES 89666-02180 TA + IMOB.